Dialogando com a família

Partiu#dialogandocomafamília

A importancia de manter o diálogo, referente às experiências com o ensino não presencial e a ação conjunta, Escola e Família.

  • por Zélia Cardoso de Santana

Zélia Cardoso de Santana é Educadora, Pedagoga, psicopedagoga. Pós – graduada na área da educação especial com ênfase na Deficiência Intelectual / Visual/ Auditiva/ TGD – Transtorno Global de Desenvolvimento e Altas Habilidades. Formada em Psicomotricidade e Neuropsicopedagiogia. Fundadora do C.P.A.E – Centro Psicológico e Apoio Emocional.

“Não há saber mais ou saber menos: há saberes diferentes”. (Paulo Freire).

    De repente! Deparamos com uma mudança de paradigmas e nos leva a refletir e consequentemente, acordamos para uma nova realidade de vida, de culturas, conceitos e todos juntos, indo em busca de novos conhecimentos, no qual, o aprender se reinventa, e vai ao encontro de diferentes formas de aprendizagem.

Será que todos os seres humanos, sejam eles, crianças, adolescentes, jovens e adultos, aprendem de maneira igual? Os estágios da vida nos proporcionam muitas oportunidades e conhecimentos, que o mesmo, nos abrem um legue colorido e gigante de muitas aprendizagens acadêmicas, sejam elas, linguísticas, espacial, natural, intrapessoal …entre tantas outras…

Cada ser humano apresenta uma característica própria de aprender, e esta forma singular e natural de adquirir conhecimento, podemos definir como estilo peculiar de aprendizagem. Vale ressaltar, que todo ser vivente constantemente o ato de aprender, uns em ritmos mais acelerados; alguns, em passos mais lentos, outros pausadamente…; o importante é que todos aprendem do seu melhor jeito e desta forma, percorre e descortina o ato do processo de aprendizagem.

Será que isso é normal? Sim, não somente normal como natural, afinal, cada um tem a sua maneira peculiar, singular de adquirir conhecimentos. Cada ser humano, possui uns mecanismos internos que são adicionados por diferentes recursos e estímulos.

Por isso, nesta edição do partiu#dialogandocomafamilia, daremos dicas e estratégias mobilizados de como ajudar os nossos estudantes em seus estudos, com o foco e propósito em fruição, que gera a aprendizagem da descoberta, da transformação, dando liberdade para toda vida.

Vamos conhecer algumas estratégias e sugestões de estudos:

  • Envolve-se com o aprendizado, grife, destaque colorindo-o no texto trechos importantes.
  • Faça anotações, assista aos vídeos de apoio e indicativos, elabore códigos que favorecem o processo de aquisição de aprendizagem.
  • Realize uma autoavaliação, respondendo as seguintes perguntas:

– O que já sabido conteúdo estudado?

– O que precisa pesquisar, ler mais e descobrir?

– O que aprendi hoje?

– O que posso ir além deste conteúdo adquirido?

  • Elabore resumos, lista de palavras, sínteses, gravações de áudios, são excelentes para estimular as habilidades auditivas e de memória.
  • Ensinar e compartilhar o que aprendeu é uma das formas mais eficazes de verificação e consolidação do aprender.

   Esperamos que essas dicas nós, escola e família, consigamos ajudar nossos educando e filhos a conquistarem mais autonomia para estudar de maneira inteligentes e lúdicas e assim, percorreremos os diversos caminhos do aprender.